domingo, 23 de outubro de 2011

Grey Wolf: A suposta fuga de Hitler para a Argentina


 HISTÓRIAS
 Grey Wolf: The Escape of Adolf
  A suposta fuga de Hitler para a Argentina

A fuga do Lobo Cinzento

A história da ascensão e queda do ditador Adolf Hitler é conhecida por todos, mas seu destino final pode ter sido bem diferente do que é contado nos livros de história. Para os autores da obra “Grey Wolf: The Escape Of Adolf” (Lobo Cinzento: A Fuga de Adolf), Hitler teria simulado seu suicídio em Berlim e escapado com sua mulher, Eva Braun, para a Argentina.

Segundo a publicação de Gerrard Williams e Simon Dunstan, Hitler haveria morrido aos 73 anos, em 1962, no país sul-americano. Ele ainda teria tido duas filhas com Eva.
Williams, historiador e jornalista especializado na Segunda Guerra Mundial, declarou à emissora Sky News não ter tido a intenção de reescrever a história, mas que “a evidência sobre a fuga de Adolf Hitler é tão contundente que não pode ser ignorada”.

O livro ainda relata que os serviços de inteligência americanos teriam sido “cúmplices” da fuga do líder em troca de acesso à tecnologia de guerra que foi desenvolvida pelos nazistas neste período.

A versão oficial dos fatos aponta que o líder alemão suicidou-se com um tiro e Eva tomou uma dose de cianureto em 30 de abril de 1945 no bunker nazista, enquanto Berlim era invadida pelo Exército soviético.

O livro pontua documentos desclassificados do FBI, que contêm referências de que Hitler fugiu de Berlim para começar uma nova vida na América do Sul.
O ex-ditador nazista supostamente teria habitado um chalé de madeira em uma vila remota, onde sobreviveu com dinheiro proveniente de ouro e jóias saqueados.

O livro cita ainda uma série de fontes, como cozinheiros e médicos, que afirmam ter tido contato com Hitler antes da sua morte, aos 73 anos, em 13 de Fevereiro de 1962. Eles alegam que a linhagem de Hitler continuou com as duas filhas que teve com Eva Braun.

Caso Hitler tivesse realmente escapado para a Argentina, ele apenas teria seguido os mesmos passos de outros fugitivos nazistas, como Mengele, Eichmann e Barbie que vieram para a América do Sul depois da guerra.

Segundo os autores, um filme baseado em Grey Wolf está sendo rodado e deverá ser lançado no início do próximo ano.

Não é a primeira vez que surgem alegações de que Hitler teria fugido para a Argentina. O escritor e jornalista Abel Basti defende a mesma tese em seu livro “Hitler na Argentina” (2003). O argentino há 20 anos investiga a fuga de Hitler, de seu bunker em Berlim, em 1945, e a sua suposta estadia por mais 25 anos na América do Sul.
Abel Basti
Segundo suas investigações, Hitler e Eva Braun fugiram da Alemanha, vindo para a costa argentina a bordo de um submarino e viveram por muitos anos nas proximidades de San Carlos de Bariloche, um local turístico e estação de esqui, situada a cerca de 1.000 quilômetros a sudoeste de Buenos Aires.

Conforme Basti, a Fazenda Incalco, localizado em Villa la Angostura, às margens do Lago Nahuel Huapi, foi o refúgio escolhido pelos nazistas argentinos abrigar o casal.
Localizado em meio a uma floresta de pinheiros, só poderia ser alcançado por barco ou hidroavião, e pertencia ao empresário argentino Jorge Antonio, um dos amigos mais confiáveis do presidente Juan Domingo Perón.

Basti também relata que Hitler teria vivido no “Hacienda San Ramon”, a seis quilômetros leste de Bariloche, que pertencia na época ao principado de Schaumberg-Lippe.

Para o escritor argentino, o livro recém lançado pelos dois britânicos é uma compilação não-autorizada de seus livros.

O livro “Grey Wolf: The Escape of Adolf Hitler”, dos britânicos Gerrard Williams e Simon Dunstan, lançado no início deste mês, é um plágio. “Trata-se de uma cópia dos meus livros 'Hitler en Argentina' (2006) e 'El exílio de Hitler' (2010”.

Eles (os autores) vieram até a Argentina e levaram os meus dados. Eu lhes dei acesso a testemunhas e a documentos”, recorda Basti ao explicar que Gerrard Williams assinou um contrato com ele em 2007 – que acabou sendo rescindido em 2009 – para a produção de um livro e de um filme.
    
Eu já havia entregado a Williams toda a investigação publicada em meus livros, quando num determinado momento, ele me informou que a crise econômica de 2008 tinha afetado o projeto e que o mesmo não teria como ter uma continuidade porque os investidores haviam desistido. E agora, ele publica um livro junto com Dunstan, assumindo como se fossem deles as minhas investigações.
     Adolf Hitler                              Eva Braun
Como os livros de Basti até o momento só foram publicados em espanhol e alemão (apesar do interesse de editoras brasileiras em publicá-los também em português), o plágio tende a passar desapercebido aos leitores de língua inglesa. “Nesse sentido, abri um processo por plágio contra a editora do livro, a Sterling Publishing, e em breve intimarei os dois autores britânicos.
    
Grey Wolf” repete o mesmo argumento que Basti defende há anos: o de que Hitler teria chegado à costa da Patagônia argentina após semanas de viagem dentro de um submarino, e de lá teria se refugiado na estância “San Ramón”, no sopé dos Andes, próximo a Bariloche. Os britânicos “inovam” apenas quando apresentam uma data exata da morte do Führer, aos 73 anos (refutada por Basti e por outros pesquisadores): 13 de fevereiro de 1962. E ao falarem da existência de duas filhas dele com Eva Braun (e não de um menino e uma menina como sustenta o jornalista argentino).
Apesar do alvoroço em torno do lançamento desse novo livro, a tese de que Adolf Hitler não se suicidou em 30 de abril de 1945 no seu bunker em Berlim não é nova. Nunca houve um corpo reconhecido oficialmente como sendo o de Hitler (apenas os de inúmeros sósias deixados para trás pelos próprios nazistas, além do fragmento de um crânio que acaba de se descobrir não ser dele). Mais do que isso, documentos e jornais da época registram que Stálin sabia que o Führer havia escapado e “teria se refugiado na Espanha ou na Argentina”, literalmente de acordo com as suas palavras.
Fora isso, o serviço de inteligência dos Estados Unidos também teria tido ciência da fuga, tanto é que o FBI supostamente possui informes sobre as atividades de Hitler até 1971. Por sua vez, a própria Alemanha só veio a considerar Hitler morto em 1955, dez anos após o seu suposto suicídio. Comenta-se até mesmo que Israel e o seu serviço secreto, o Mossad, assim como o Centro Wiesenthal, também tinham conhecimento da fuga, mas que por serem todos financiados pelos Estados Unidos (que teriam traído os soviéticos e acobertado a fuga de Hitler em troca de cientistas e tecnologia bélica) não tinham muito o que fazer.
O tema tem sido levado a sério por muitos pesquisadores e as portas que podem levar à constatação de que o mundo foi enganado por mais de 60 anos podem estar sendo finalmente abertas. Como analisa Basti: “Há 20 anos, quando comecei a investigar o assunto, me chamavam de louco. Agora, as coisas estão mais fáceis. Mais cedo ou mais tarde a verdade virá à tona ou por meio de documentos oficiais desclassificados ou por meio de descendentes de pessoas que sabem de toda a história, mas que por fama ou em busca de dinheiro vão começar a falar, mostrar fotografias. Digo isso porque verdades como essas normalmente só aparecem depois que as pessoas envolvidas já estão mortas”.

No Brasil
Nos livros de Basti publicados até o momento, o Brasil é citado em poucos trechos, como quando Hitler teria visitado o país várias vezes para ouvir uma pianista tcheca que apreciava muito. Ou quando, de acordo com um informe do FBI, ele esteve com Eva Braun no Rio Grande do Sul, em 1947, no balneário da praia do Cassino, perto da cidade de Rio Grande. 

Para preencher essa lacuna, planeja-se a publicação dos livros de Basti em português, com um capítulo sobre o Brasil, já que novos testemunhos afirmam que Hitler também teria vivido por dez anos no Sul do país, com a anuência do governo Getúlio Vargas e posteriormente de Eurico Gaspar Dutra. Há inclusive um testemunho sobre a presença dele em Curitiba, em 1948.
Outra informação que o livro trará diz respeito à data de morte de Hitler. Diferentemente do que afirmam os autores britânicos de que o Führer morreu em 1962 e do que sustenta Mariano Llano, jornalista paraguaio especialista na presença de nazistas na América do Sul, de que a sua morte teria ocorrido em 1974, a edição brasileira do livro de Basti, acrescida desse capítulo sobre o Brasil, trará em detalhes o depoimento de uma nova testemunha que garante que Hitler morreu, aos 81 anos, em 5 de fevereiro de 1971 (por concidência, o mesmo ano em que o FBI encerrou o “Caso Hitler”), e que seu corpo foi enterrado numa cripta subterrânea, um “bunker” construído em um país sul-americano. 

A hipótese da morte em 1971 torna-se bastante crível já que desconhecendo essa informação, no início deste ano, um famoso ator uruguaio, Carlos Perciavalle, disse em uma entrevista a uma rádio que ao chegar a um jantar em Bariloche, em 1970, junto com outra atriz uruguaia, China Zorrilla, encontrou Adolf Hitler entre os convidados. E que soubera mais tarde que Hitler estava naquela época vivendo seis meses por ano na Argentina e os outros seis meses no Chile.
Vale ressaltar que Bariloche (onde reside Abel Basti) fica apenas a 13 horas por terra da Colônia Dignidade, um agrupamento declaradamente nazista, fundado em 1961 no Chile. Pesa ainda contra a data de morte oferecida pelos autores britânicos o testemunho de um ex-funcionário de uma empresa de petróleo que afirma ter participado de um jantar com a presença de Hitler, em 1967, nos arredores de Assunção, capital do Paraguai. Algo que segundo ele, já não surpreendia ninguém pois a cúpula militar do governo paraguaio, liderado pelo ditador Alfredo Strossner (filho de um alemão da Baviera, Estado próximo à cidade natal de Hitler), e os latifundiários daquele país tinham o antigo Führer Nazista como convidado de honra em várias ocasiões.


Uma entrevista com Abel Basti


"Argentina  - Adolf Hitler não morreu em Berlim, em 1945, antes de ser capturado pelas tropas soviéticas. Junto com sua companheira, Eva Braun, conseguiu deixar a Alemanha e, graças a um acordo militar com os Estados Unidos, viveu o resto de seus dias na Argentina. Inclusive passou algumas temporadas no Sul do Brasil. Mais uma lenda sobre o destino do temido líder nazista? O jornalista argentino Abel Basti garante que não.
Ele já escreveu três livros nos quais tenta demonstrar que a história completa do “führer” ainda está por ser contada. Hitler, segundo o jornalista, teria residido em lugares como San Ramón e em Inalco (às margens do lago Nahuel Huapi e a 80 quilômetros de Bariloche). Basti investiga o assunto mais atentamente desde 1990. Ele é autor de quatro livros e já está finalizando o quinto: Los Secretos de Hitler, que deve ser lançado em breve. A seguir, a entrevista que Basti concedeu ao ABC.

Quando o senhor descobriu evidências sobre a presença de Hitler na Argentina?
Abel Basti - As primeiras evidências apareceram nos anos 90, especialmente de testemunhos, pessoas que estiveram com Hitler na Argentina. Também surgiu a informação sobre a chegada de submarinos nazis nas praias da Patagônia durante o inverno de 1945.

Quais são as principais evidências que o senhor encontrou sobre a fuga de Hitler?
Basti - Os testemunhos e os documentos, por exemplo os do FBI ou da CIA que reportam a Hitler vivendo na Argentina. Há uma foto feita pela CIA de Hitler depois da guerra. Há pessoas como Hernán Ancín, que relata os encontros de Hitler com seu chefe Ante Pavelic – o ditador croata que era amigo de Hitler – na Argentina, ou Catalina Gamero, que atendeu ao líder nazi na província de Córdoba em 1949.

A história do senhor vai contra o que foi divulgado: Hitler teria se suicidado com Eva Braun em Berlim. Os aliados foram enganados? Ou permitiram a suposta fuga? 
Basti - A história oficial foi contada por um punhado de nazis próximos a Hitler. O Estado alemão não deu Hitler por morto em 1945 por falta de provas de sua morte. Stalin disse que o ‘‘führer’’ havia fugido em um submarino. Dwight Eisenhower, em 1952, disse que não havia evidências da morte de Hitler. Ele escapou por conta de um pacto militar arranjado com os norte-americanos. Os altos poderes internacionais foram cúmplices desta história.

Como uma figura emblemática como Hitler poderia passar despercebida?
Basti - Não tinha ordem de captura para Hitler nem processo penal contra ele. Os serviços de inteligência norte-americanos não tinham ordem para capturá-lo. Só controlavam onde estava e o que fazia.

O governo argentino da época teria condições de saber sobre Hitler? Permitiu a entrada dele?
Basti - Em 1945, alguns integrantes do governo militar sabiam que os nazis estavam chegando à Argentina por submarino. Os militares haviam feito um pacto com os nazis para recebê-los. Mas só um círculo seleto sabia que também estava chegando Hitler.

Qual a aparência dele na Argentina?
Basti - Hitler chegou à Argentina em 1945, quando tinha 56 anos de idade. Raspou o bigode, deixando visível uma cicatriz que teria sobre o lábio superior. Estava calvo, embora às vezes usasse uma peruca.

E o que ele fez na Argentina?
Basti - Mudou de residência várias vezes, viajou ao exterior, manteve reuniões e uma vida social ativa com identidade falsa.

E quando ele morreu?
Basti - Adolf Hitler morreu no verão de 1970-71. Seu corpo foi enterrado em uma cripta subterrânea – em um grande bunker – situada em um país sul-americano, onde permanece. O FBI encerrou o caso Hitler naquele ano.

Ele pensava em voltar à Alemanha?
Basti - Não, não teve intenções de voltar à Europa, sua viagens foram na América do Sul.

Hitler poderia ter vindo ao Brasil? Seria possível que viesse ao Rio Grande do Sul, Estado que faz fronteira com a Argentina?
Basti - Hitler, nos últimos anos de sua vida, esteve vivendo por um tempo no Sul do Brasil e no Paraguai, protegido por um círculo de nazis. No Brasil, gostava de ouvir uma pianista checa que visitou várias vezes.

O senhor disse que ele esteve na parte Sul do Brasil. Onde exatamente? Em Santa Catarina, Paraná ou Rio Grande do Sul?
Basti - Essa informação – o lugar exato – não foi publicada em meus livros, é confidencial. Podemos dizer somente “no Sul do Brasil”.

O senhor está lançando um novo livro. Qual é o tema?
Basti - Meu próximo livro em espanhol é Los secretos de Hitler (Os Segredos de Hitler), no qual se mostra o plano de fuga e o pacto dos nazistas com os norte-americanos, contribuindo com novas provas sobre a vida de Hitler na América do Sul. Há editoras brasileiras interessadas em publicar meus livros, em Português, e creio que isso será uma realidade nos próximos meses. Quem estiver interessado no tema ou que queira contribuir com dados ou informações sobre a vida de Hitler depois da guerra pode conseguir isso visitando a página www.hitlerargentina.com.ar. Grande parte de minha investigação é graças aos leitores que se comunicam e oferecem dados de grande importância.

"Eva Braun vivia na Recolecta"

O que aconteceu com Eva Braun?
Basti - Há até alguns anos, Eva Braun vivia em Buenos Aires, no bairro Recolecta. Em dezembro de 1981, o doutor Larry Birns, diretor do Conselho para Assuntos Latino-americanos, manifestou que Eva Braun estava na Argentina. “Eva Braun, a mulher que durante muitos anos foi a companheira de Hitler, não morreu junto com o líder nazista mas conseguiu escapar dos soviéticos e atualmente estaria vivendo na Argentina”, disse Birns. Ao descartar que Eva Braun havia morrido em Berlim, disse “portanto temos que pensar que está viva, e disso temos algumas provas”, precisando o funcionário norte-americano que a viúva de Hitler estava residindo na Argentina.

Há outra informação que o senhor acha importante acrescentar?
Basti - Todos os serviços secretos do mundo tinham a informação sobre a fuga. Todos sabiam que Hitler havia escapado, e que no bunker havia morrido o seu sósia.

Mas e as provas que atestam a morte de Hitler?
Basti - As provas de sua morte foram somente o testemunho de um grupo de nazistas. Em troca de assegurar o exílio de Hitler e de muitos nazis, os americanos foram beneficiados. Receberam cientistas, técnicos, espiões e militares nazistas, que foram usados na Guerra Fria contra a União Soviética. Receberam inventos e desenvolvimentos científicos alemães (tecnologia atômica, espacial, de mísseis, química, etc.).

SAIBA MAIS

Cópia de documento do Federal Bureau of Investigation (FBI), de 14 de agosto de 1945, traz o seguinte trecho: 
“xxx registra contato. xxx alega ter ajudado seis altos oficiais argentinos a esconder ADOLF HITLER por ocasião de sua chegada de submarino na Argentina. HITLER alegadamente estaria escondido na encosta da Serra do Sul dos Andes. Informação obtida por xxx de xxx não pôde ser verificada por causa do desaparecimento de xxx.”
Memorando interno do FBI, de 25 de agosto de 1945, também faz referência a suspeitas da presença de Hitler e “associados” na Argentina:
“xxx desejava saber se o Bureau (FBI) tinha alguma ‘causa provável’ para acreditar que Hitler ou qualquer de seus associados estivesse se escondendo na Argentina e eu disse que o Bureau não tinha evidência tangível deste tipo de esconderijo, mas que o General Lang [adido militar em Buenos Aires] havia ocultado considerável quantidade de informações de nós por um período de mais de um ano, referente a uma suposta fazenda na Argentina que alegadamente seria um esconderijo para subversivos alemães supostamente vindos à Argentina por meios clandestinos, particularmente submarino.”

LIVRO

Hitler en Argentina, lançado em 2006, é o segundo livro da série que aborda o tema do nazismo na Argentina – o primeiro livro é Bariloche Nazi, publicado em 2004. Em Hitler en Argentina, que está na terceira edição, Abel Basti procura demonstrar que o líder nazista não morreu em Berlim, antes da chegada das tropas soviéticas, mas escapou e se exilou na Argentina. O livro não foi lançado no Brasil."

Por Eduardo Andrejew
Jornal NH - Out/2011


Vídeos:


Fantástico: Hitler teria forjado a morte e fugido para a América do Sul 



Grey Wolf - The Escape of Adolf Hitler


Matéria do Jornal NH citando o Blog Acervo Segunda Guerra:
http://www.jornalnh.com.br/especial/352509/hitler-teria-visitado-a-praia-do-cassino.html


Fontes:
www.hitlerargentina.com.ar
www.barilochenazi.com.ar/carta-doc.pdf
www.brasildefato.com.br
www.cartacapital.com.br
www.dailymail.co.uk
www.jornalnh.com.br

16 comentários:

  1. Li o livro "Ultramar Sul" escrito por dois argentinos J. Salinas e C. De Napoli que também defende esta teoria.

    Maxmillian.

    ResponderExcluir
  2. nao duvido pela sua genialidade ela nao ia suicidar.

    ResponderExcluir
  3. Primeiramente gostaria de parabenizar o administrador deste blog por seu excelente trabalho de pesquisa. Sou apaixonado por assuntos da segunda grande guerra e realmente estou impressionado com a quantidade de informações que você traz sobre o assunto.
    Quanto a fuga de hitler, posso crer que, se os arquivos militares que ainda são secretos fossem expostos a história da segunda guerra seria reescrita em muitos momentos. A presença de muitos nazistas na américa do sul é uma prova de que hitler poderia realmente ter vivido por aqui. Não acredito que ele se suicidaria pois ele era narcisista demais para isso.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente adorei o blog, completo e ao mesmo tempo deixa varias expectativas, o melhor a respeito de Hitler! Parabéns...

    ResponderExcluir
  5. HITLER NÃO MORREU. OS ARQUIVOS DA 2ª GUERRA ESTÃO MUITO BEM GUARDADOS. NÃO ESPERAVAM (VENCEDORES) QUE, APÓS O TÉRMINO DA MESMA, HOUVESSE UM INTERESSE GRADUAL E CRESCENTE POR PARTE DE PESSOAS QUE NASCERAM MUITOS ANOS APÓS O TÉRMINO, JUSTAMENTE DO MAIOR CONFLITO DO SÉCULO XX. ESPERAVAM SIM, QUE ESTE EPISÓDIO FOSSE ESQUESCIDO, COM O PASSAR DOS ANOS. COMO O MUNDO MODERNO É MOVIDO PELA GUERRA, HAVERIAM MUITOS "IDOLOS" A SEREM IDOLATRADOS. HITLER É UM CASO ESPECIAL DE ADORADORES E HIPÓCRITAS. E É POR ISSO QUE NÃO ABREM OS ARQUIVOS SECRETOS DELE. SERIA UM CAOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem, Escorpião61. Precebe-se que você tem muito conhecimento quando se fala em guerra. ABS.

      Excluir
  6. A idéia de um Hitler vivo seria admitir que o mal triunfou, para mim é uma balela total. Ele morreu humilhado e isso é a verdade. O resto é especulação de seus seguidores e admiradores. Não tem a mínima lógica isso... ele era covarde e morreu se suicidando como um covarde, em vez de lutar como o seu povo, que deu o sangue por quem não valia nada !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prove isso que está falando, que eu concordo com você. Caso não haja como provar que Hitler morreu num bunker, fico com a teoria da fuga.para a Argentina. Aliás, infelizmente, o mundo não é conto de fadas, onde o bem sempre ganha do mal no final...

      Excluir
    2. huuuu.. o mal triunfou... vah se catar.

      Excluir
  7. caro anônimo:

    não existe nenhuma prova de que Hitler tenha realmente se suicidado, não tem lógica é você dizer que ele se suicidou sendo que não existe prova.

    ResponderExcluir
  8. Pois é... Mas infelizmente neste mundo apenas 10% da população sabe o que realmente acontece. Os outros 90% são manipulados sem saber, e acreditem, em certos casos, a ignorância é uma benção

    ResponderExcluir
  9. Um mito construído, personificação política este é Adolf Hitler. Não se mata um mito. Há várias teorias, mas uma me deixou muito intrigado, essa Grey Wolf: The Escape Of Adolf” muito boa. Eu li também outra teoria de que a igreja católica ajudou Hitler a escapar por caminhos vindo pela Áustria, Itália e chegando na Argentina, enfim...Quero mesmo falar que a Alemanha Nazista tinha muitas riquezas, Tecnologias e duvido muito que os Alemães iam dar isso de mão beijada, afinal quando sei que vou perder em algo barganho, e para barganhar é preciso ter algo nas mangas. Como sabem muitos arquivos da Alemanha Nazista estão guardados nos Estados Unidos, mas esses arquivos para mim foram plantados por Hitler, tenho certeza que ainda tem muita coisa a ser descoberta que Hitler e seus cientistas já descobriram, e se essa teoria for verdadeira, alguém deixou ele viver lá na Argentina, muita coisa ele deu em troca para viver lá, porque ninguém é trouxa nessa vida, muito menos Dwight D. Eisenhower.

    ResponderExcluir
  10. Um mito construído, personificação política este é Adolf Hitler. Não se mata um mito. Há várias teorias, mas uma me deixou muito intrigado, essa Grey Wolf: The Escape Of Adolf” muito boa. Eu li também outra teoria de que a igreja católica ajudou Hitler a escapar por caminhos vindo pela Áustria, Itália e chegando na Argentina, enfim...Quero mesmo falar que a Alemanha Nazista tinha muitas riquezas, Tecnologias e duvido muito que os Alemães iam dar isso de mão beijada, afinal quando sei que vou perder em algo barganho, e para barganhar é preciso ter algo nas mangas. Como sabem muitos arquivos da Alemanha Nazista estão guardados nos Estados Unidos, mas esses arquivos para mim foram plantados por Hitler, tenho certeza que ainda tem muita coisa a ser descoberta que Hitler e seus cientistas já descobriram, e se essa teoria for verdadeira, alguém deixou ele viver lá na Argentina, muita coisa ele deu em troca para viver lá, porque ninguém é trouxa nessa vida, muito menos Dwight D. Eisenhower. Por Harley Sandro(facebook harleysandro)

    ResponderExcluir
  11. Baixar o Documentário - A Fuga de Hitler - Dublado - http://mcaf.ee/3sw6n

    ResponderExcluir
  12. Hitler era um Gênio e não um insano como relatam. Infelizmente os planos de restauração da raça humana foram atrasados, mas a luz nunca se apagou!

    Meu tio avô não morreu na guerra como relatado em documentos e jornais, prova disso são fotos e arquivos de família que no momento oportuno serão divulgados.

    Infelizmente a humanidade decadente prevaleceu, mas em breve ela será ferida pelo seu próprio veneno e a verdadeira VERDADE será enfim revelada.

    Que este governo oculto, injusto e mesquinho receba seu digno e amargo fim, e que a Luz da verdade possa enfim brilhar, sem que novamente ela corra o risco de se apagar!

    Do Brazil para o mundo, desde mundo para os outros, nossa voz enfim será ouvida!

    Paz, Paz, União, Verdade e Justiça!

    ResponderExcluir
  13. Curiosamente em 1966 a Nasa lançou foguetes na praia do Cassino. Von Braun, um notório nazista, era um dos líderes da agência. Curiosa coincidência, não?

    ResponderExcluir